Incentivo à leitura deve começar com os bebês na creche

Escrito por em 04/12/2019

A OCDE  (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico)  divulgou nesta terça-feira  (03/12) os resultados do Pisa 2018  (Programa Internacional de Avaliação de Alunos).  De acordo com os dados, o Brasil não avançou em leitura — 50% dos estudantes não tem o nível básico de entendimento — e também está entre os últimos colocados no ranking em matemática e ciências.

O Pisa avalia o desempenho de adolescentes de 15 anos, mas para mudar essa realidade, escolas apostam na leitura como um processo contínuo e de formação. Na EMEI (Escola Municipal de Educação Infantil)  Arco-Íris, em Lagoinha, no interior de São Paulo, bebês de 2 anos já têm acesso aos livros.

“Percebemos que as nossas crianças pertencem a famílias de não leitores, muitas têm pouco contato com a leitura e sem acesso aos livros”, explica Claudiane Aparecida dos Santos Araújo, coordenadora pedagógica da EMEI.

A partir dessa percepção, assim que as crianças chegam à creche, a família também é convidada a ouvir histórias. “Se a família não tem contato com a literatura, o professor passa a ser um bom modelo de leitor”, diz a coordenadora.

Para que as crianças tenham opção de escolha, a escola investiu em um acervo rico e de qualidade de literatura infantil e também de adultos. Os pais têm um cantinho de acolhida logo na entrada e ali os livros estão à disposição.

Projetos de leitura são desenvolvidos ao longo do ano. Os professores seguem uma planilha e um percurso literário. Um dia do ano as famílias tomam uma praça para o Varal Literário, que envolve toda a comunidade com a leitura. A escola abre a biblioteca escolar a adultos. Também são instaladas casinhas literárias para a livre troca de livros. 

Tudo isso feito à base de muito planejamento e formação dos professores, fatores que impactam na escolha de um acervo de qualidade a boas mediações de leitura. Esse trabalho começou com o projeto Pequenos Leitores, uma parceria entre a FTD Educação, a CEDAC e as Secretarias de Educação dos municípios participantes.

Na cidade de Catalão, em Goiás, o foco está na formação dos alunos do primeiro fundamental dentro do projeto Mosaic Educa, promovido pela Secretaria Municipal de Educação.

O município passou a investir na leitura literária diária, além de selecionar melhor os livros oferecidos aos alunos. O impacto, de acordo com a Secretaria, foi a melhora do vocabulário e um engajamento maior dos professores.

FONTE: R7


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



Música

No Ar

Artista

Background