Belo Horizonte e Distrito Federal se preparam para reabrir comércio

Escrito por em 23/05/2020

A cidade de Belo Horizonte e o Distrito Federal se preparam para a reabertura econômica na próxima semana. Mais de dois meses depois de ter a atividade econômica reduzida por causa da pandemia do novo coronavírus,  Belo Horizonte vai reabrir o comércio na segunda-feira (25/05), com horário pré-fixado para o funcionamento de lojas, restrição no número de clientes nos estabelecimentos e obrigatoriedade do uso de máscaras.

Já no Distrito Federal, o governador Ibaneis Rocha, assinou na sexta-feira (22/05) um decreto para liberar o funcionamento de shopping centers, centros comerciais e o comércio em geral a partir da próxima quarta-feira (27/05). O comércio está fechado desde 19 de março em virtude da pandemia do novo coronavírus.

Em Belo Horizonte, o retorno envolve salões de beleza, com horário marcado, lojas do setor de varejo, como móveis, shoppings populares e papelarias. Bares e restaurantes estão fora da fase inicial de reabertura, assim como shoppings centers. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (22/05), pelo comitê de infectologistas da prefeitura da cidade mineira. O fechamento do comércio ocorreu em 18 de março.

O prefeito Alexandre Kalil (PSD) não participou da apresentação do programa de reabertura. O médico Jackson Machado, que integra o comitê, admitiu temor em relação ao início da retomada do comércio na cidade. “O momento me traz um pouco de medo. Não sabemos o que vai acontecer”, afirmou.

O acompanhamento para manutenção do processo de reabertura, ou sua interrupção, caso seja necessária, levará em conta três critérios: o nível de transmissão da doença e o número disponíveis de leitos específicos para pacientes de covid-19 em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e em enfermarias.

A elaboração do programa levou em consideração a circulação de pessoas na cidade, por isso os horários pré-estabelecidos para o retorno. Shoppings populares podem funcionar das 11h às 19 horas. Salões de beleza, das 7h às 21 horas. Além do horário marcado, há proibição de uso de toalhas de pano e definição para que haja intervalo de 30 minutos entre um cliente e outro.

A decisão de permitir a volta dos shoppings populares, e não dos shoppings centers, deve-se ao número de trabalhadores em cada um dos setores. No caso dos primeiros, segundo o infectologista, o total de trabalhadores é de 2 mil, quantidade menor que a dos outros shoppings, conforme o médico. “Dessa forma, permite-se que o número de pessoas circulando seja diluído ao longo do dia” justificou Machado.

FONTE: R7


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



Música

No Ar

Artista

Background